O que não pode ser inventado

Agosto 16, 2010

Sábado ao fim da tarde, rua de Sá da Bandeira. Após três horas perdidas na esplanada de um café qualquer com alguns amigos, volto para casa. Subo a rua em direcção ao carro, reparo nas árvores plantadas durante a Capital da Cultura e na frondosa folhagem que ganharam (foi-se o Rivoli  mas ficou o bom urbanismo…). No meio dos prédios Português Suave da altura do fim do Estado Novo (Lisboa tem as Avenidas Novas, o Porto um punhado de ruas a nascente dos Aliados) fica, para interesse do leitor mais curioso, a capela de Fradelos, vestígio de um tempo em que a Rua do Bonjardim se chamava  Estrada de Guimarães e no Via Catarina havia uma grande horta. A singela capelinha é rodeada por monstros do modernismo arquitectónico como o são o Hotel Dom Henrique, a torre do JN e – qual rei dos mamarrachos – o Silo-Auto. Mas calma, não escrevo estas linhas para cascar nos abortos estéticos que se construíram em plena Baixa do Porto há trinta ou quarenta anos. Dizia eu, a chegar à capela de Fradelos, que quem lá for depara com um jardim sombrio, muito mal arranjado e adornado com hidranjas, jarros e aquelas plantas que parecem couves de Bruxelas e que dão uma flor roxa. Admirava eu, então, este enquadramento idílico; reparava, agora, o seu objecto central: um casal de cinquentões (talvez, ou não, quem sabe) sentados num banco de aspecto desconfortável, inclinados e com os peitos encostados, ela apoiando-se com a mão esquerda no ombro dele, ele roçando-lhe o pescoço com o bigode; ela, com a mão direita dentro das calças dele, esfregava com uma ternura emocionante; ele retribuía-lhe o gesto e a ternura sincera, com alguns dedos (saber quantos seria indiscreto). Olhavam-se e sorriam como putos. Ela dizia-lhe algumas palavras carinhosas e ele beijava-lhe a ponta do nariz. Embalado no romantismo da coisa, e no respeito que merece, virei a cara para o outro lado da rua e continuei a contemplar arquitectura medíocre. Dois minutos passaram, voltei a cara: abraçavam-se apaixonadamente, já não ofegavam tanto, aliviados; ele, deitando-se no colo dela,  afagava-lhe a cara. Ela, se realmente estivesse a vender toda aquela paixão, teria de ser incluída na categoria que atribuem às lojinhas pitorescas da província ou dos centros históricos conhecidas por ainda venderem bolo-rei segundo a receita original ou por terem as melhores pencas no Natal. Mas não creio. Atrás deles reparei numa estátua de arte moderna, de certeza posta lá para remediar o descuido e dar algum encanto ao jardim. Tentativa falhada, obviamente, ou não fosse uma daquelas obras da escola artística da bosta de vaca empilhada em torre gótica. No entanto, o cenário enquadrava harmoniosamente também este elemento e dava à palavra escrita a maiúsculas na base da estátua um título místico a toda a história, e recordava-me que jamais terei talento ou genuinidade para inventar a ironia de que o povo acusa o destino; resta-me continuar a vadiar por aí. Maturidade.

Advertisements

11 Responses to “O que não pode ser inventado”

  1. Tomás Says:

    viva o porto :) ja tenho saudades
    tudo o que tenho visto no algarve é gajas sem soutien na rua, topless na praia e muitas tangas e fios-dental mas nada de romantismos…

  2. pedro leitao Says:

    Há mais romance num beco duvidoso da Trindade do que em todas as mamas da Quarteira.

    (não sei bem o que isto quer dizer. que se foda.)

  3. Tomás Says:

    nem eu mas…foi bastante bonito à sua maneira e há que admirar a tua audácia :D

  4. pmramires Says:

    és um sortudo. em amsterdão paga-se para ver isso.

  5. daniela Says:

    Para ver pessoas de meia idade a acariciar-se em público? Ou para ver seios desnudos?
    Podias ter tirado fotos para publicar aqui no blogue. :D

  6. pmramires Says:

    Sexo ao vivo Daniela. Era disso que estava a falar.

  7. pedro leitao Says:

    Oh, não era “sexo” e muito menos eram “coisas indecentes”. Era amor! Daquele que não se vê nos videoclipes da MTV ou nos Morangos. Era gratuito mas era do tradicional, carnal e descarado; não era de plástico.

    Eu estive para alugar o meu carro 5 minutos àquele casal. Mas depois lembrei-me que o carro é na verdade da minha mãe.

  8. pedro leitao Says:

    ps. deixei de receber notificações aos comentários dos meus posts, não sei porque. se demorar a responder por favor não levem a mal.

  9. Francisco Says:

    texto delicioso!

  10. pedro leitao Says:

    thanks Noronha ;)

  11. Tiago Laranjeiro Says:

    O Porto é fantástico.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: