A noite fez-se para amar

Maio 19, 2009

Naquela altura em que contratavam poetas para preparar a estreia de um filme em Portugal, deram este nome ao “McCabe & Mrs. Miller” do Robert Altman. Não sei se este título assenta ou não ao tal western, porque ainda não o vi (grande falha minha, é verdade, ainda para mais fã do senhor); mas esta frase remete-me sempre que a ouço para os contos de Fitzgerald.

Falo de tudo isto pela mais simples razão: gosto de me deitar tarde e de acordar tarde. Que horrível maneira de começar o dia essa de ter logo aulas ou trabalho à nossa espera. Acordando um bocado antes pela hora do almoço pode-se aproveitar a companhia e a galhofa servida à refeição para enfrentar as tarefas ruins que nos assombram constantemente. E se alguma má vontade não se dissolver com a paparoca, o cafézinho soalheiro ao sabor da conversa do dia encarrega-se disso.

À noite tudo ganha uma leveza singular. A música soa melhor, os filmes brilham com mais força no ecrã, as conversas mais aprazíveis e melodiosas. E pela cidade vadios como nós saltam de copo em abraço à procura que a madrugada surja. Porque o que importa é  saber que, por breves momentos, podemos livremente esboçar as mais belas utopias que ninguém nos chateia. E tanto melhor se alguma canção nos for embalando à boleia durante essa viagem. Daí a nada é de manhã e na rua já os primeiros carros apitam a tranquilidade da noite para bem longe; e no despertador alguém relata as primeiras notícias do dia.

Anúncios

4 Responses to “A noite fez-se para amar”

  1. Tomás Says:

    eu cá sou um gjo q se rege pelo lema “deitar cedo e cedo erguer…” n gosto de perder muitas radiações solares

    mas cada um com as suas :p

  2. pmramires Says:

    bonito poste. eu é mais deitar tarde e cedo erguer. pelo menos desde que descobri o café.

  3. daniela Says:

    agora entendo porque fugias das tardes no queimódromo… terei de subscrever todas as palavras do texto. e agora que chega o verão, não há nada mais agradável que às 4h vir até à janela e ver o silêncio, o escuro e uma incrível solidão que não é assim tão só, que é doce de certa forma. ou ficar a ler noite dentro com um silêncio enorme onde os textos ficam ainda mais nossos e bons ao olhar :p

  4. pedro leitao Says:

    São uns meninos! A Daniela é que me percebe. Lá está, a malta de direito é que sabe o que é ser ‘bon vivant’!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: