Austrália: Nos Antípodas do Bom Cinema

Janeiro 16, 2009

Cá vai mais um exemplo do extremar de posições de que o Ramires falou. Leitão, apanha lá com o rocket. Fico à espera dos tanques.

Antes de mais, dizer que Austrália é um Gone With The Wind moderno é extremamente mentiroso.
Homenagem (acompanhada de uma certa babagem) aos clássicos de Hollywood dos anos 30 e 40, é certo que é. E boas referências traz, sem dúvida: The Wizard of Oz, o já citado da Scarlett, o western clássico, qualquer coisita de filme de guerra, uma conferência internacional, intergeracional do cliché, mas com convidados aborígenes.
Não falando pelo Cukor ou pelo McCarey, Austrália é um filme que eu não faria, até porque acho que o importante é contar uma história (duas também pode funcionar, já se experimentou e sabe-se que funciona, mais do que isso pode dar “um monte de sarilhos”). E bem: vá, com princípio meio e fim, pelo meio um clímax, dois se quisermos uma coisa bem animada, 27 se formos o histérico do Baz Luhrmann. Zany, acho que é o que lhe chamam n’América. E se calhar na Austrália.
27 clímaxes até é coisa para cair bem a um espectador: entre cada um deles demos-lhe tempo de recuperar o fôlego, uma narrativa coerente que lhe prenda o interesse, e razões para se voltar a emocionar com os protagonistas e a nova aventura em que se foram meter. Mas isso era coisa para dar trabalho e para resultar num filme um bocado longo:
– Ó Baz, isto assim não vai dar, pá. Ninguém quer ver um filme de 8 horas passados nos antípodas, se ainda fosse a adaptação de um romance da Agustina por aquele senhor centenário, olha que ele é muito simpático, e velhinho, e as pessoas gostam mesmo dele.
– Então deixamos só as cenas mais emocionantes, já dá menos de 3 horas.
– Olha que isso talvez não faça muito sentido, é capaz de prejudicar o ritmo do filme. O público pode ficar confuso.
– Não fica nada. Pomos uma história na primeira metade do filme, e damos-lhe aquele toquezinho histriónico. Depois daí para a frente é sempre a abrir. E somos muito claros. Violinos, violoncelos, toda a tralha que tenha cordas e dê para tocar de forma plangentemente emocionante: espetamos com um bocadinho disso e toda a gente já sabe que é para chorar.

O Austrália é uma gaja que depois do primeiro clímax só dá vontade é de dormir. Se ele acontecesse lá para os últimos 20% da duração do filme não havia problema. Mas ninguém é obrigado a ficar acordado até às 3 da manhã.

Esta espécie de análise consistiu também num exercício de integração de propriedades formais e tonais da obra em causa (histriónico, tentativa de estilo, pouca substância, bonitas imagens de embondeiros) numa opinião extremada ao ponto de quase não a reconhecer.

Anúncios

4 Responses to “Austrália: Nos Antípodas do Bom Cinema”

  1. pedro leitao Says:

    Tanques não os tenho, isto aqui em Cuba só se luta com charutos.

    Amanhã respondo com mais calma, agora tenho de ir dormir. Mas essas tuas palavras finais fizeram-me recordar os escritos da velha Kathleen Gomes durante os seus tempos de crítica (de cinema?).

  2. Belmiro Oliveira Says:

    Não respondas com calma. Se eu tivesse feito isso tinha saído um texto sensato, com pés e cabeça, em que provavelmente diria que o Austrália é uma boa oportunidade perdida, um filme mediano sufocado pela ambição desmedida e por um argumento um bocado risível. Porra, fico com a impressão de que não queria ser tão áspero com o filme, mas sai-me.

  3. Gabriela Says:

    Voces agora sao como o Rui Santos? e que começaram os 2 o texto com “dizer que”… :S

    E tu, sr. Belmiro, escusas de exagerar. la pq n gostaste muito do filme n precisas de fazer parecer que ele e tipo o “Onde pára a polícia” ou algo tao mau qto isso…

  4. Belmiro Oliveira Says:

    Não sei porque é que o post parece redigido pelo Rui Santos, se é que sei quem é o Rui Santos. Estamos a falar daquele comentador de futebol?
    E já agora, eu só comecei o post daquele forma para imitar exacatamente o Leitão. Se foi uma piada que não funcionou, é uma pena. Eu achava que não era má. Quanto a um comentário mais equilibrado, curto e que não inclui conversas do Baz Luhrmann com o produtor do filme, já o fiz nos comentários acima. Se eu tivesse feito isso no post, não estávamos aqui a esgrimir argumentos. Só uma posição um bocado mais forte como a do post é que suscita reacções.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: