Agora,…

Dezembro 31, 2008

…neste minuto, é isto

Wall.E

There Will Be Blood

No Country For Old Men

The Darjeeling Limited

Into The Wild

Before The Devil Knows You’re Dead

A Turma

Juno

Aquele Querido Mês De Agosto

amanhã, mais ou menos pela mesma hora, seria provavelmente o mesmo, embora eu hoje, por esta altura, tenha a sensação que fosse outro o resultado do esforço de selecção desordenada de um ano nas salas de cinema.

Claro que isto aqui em cima só faz sentido se eu disser que faltei a O Segredo do Cuscuz, Gomorra, o do Skolimowski, que, se não me engano, se chama Quatro Noites com Ana, Alexandra, Corações, Fome e aquele que começa com a Eva Mendes e a mão do Joaquin Phoenix (que conheço graças a industrioso bloguer), ficando-me pelos que previsivelmente poderiam agradar-me (e de que me lembro* agora). Claro que a graça da coisa está em não acertarmos exactamente a priori naquilo que nos deixará boa impressão, está na antecipação não corresponder à memória, caso em que estaríamos fodidos de tanta certeza. Não tenho a certeza de que alguém já tivesse escrito latim nesta latrina, estamos a ficar chiques.

A melhor experiência de imagens em movimento captadas em celulóide ou outro suporte físico ocorreu em casa, ou em Itália, e em Viagem. Deixo o link porque está aqui um caso em que o dever da  divulgação supera o gozo da subtileza, que só passaria despercebida a quem nunca tiver visto o filme, impossível de esquecer.

*”lembrar” contempla a consulta de listas de melhores do ano de engraçadistas como o supracitado

10 melhores filmes vistos em espaços públicos (sem ordem):

Porque nada substitui a magia do silver screen! (*prlim pim pim*)

Pronto, 2008 já está para trás. Venha 2010! (2009 vai ser uma merda)

Bom Ano a todos, menos ao Sócrates ;)

Sobre a Póvoa do Varzim:

” …embarcações capazes de navegar directamente para o Oceano Atlântico e, daí, continuar em linha recta até às costas portuguesas da Póvoa de Varzim, onde é conveniente chegar depois do pôr-do-sol, hora crepuscular em que os libertinos dessa povoação tratam de se desfazer das tangas usadas durante o dia, põem-nas a secar nas suas vistosas varandas de azulejos e se entregam ao ritual de se enfrascarem com vinho verde até ficarem profundamente adormecidos e com muito pouco sangue na torrente alcoólica.”

in “Os Piores Contos dos Irmãos Grim” de Luis Sepúlveda e Mário Delgado Aparaín.

Próxima citação: “Sobre Braga…”

Bom Natal

Dezembro 25, 2008

2008 anos e um dia após o nascimento do menino, alguém chegou a este blogue através da pesquisa “conas rasgadas” no google. Que muitos mais se lhes sigam. Meninos, conas rasgadas, e leitores interessados.

Bom Natal. E seguindo a tradição da Santa Sé, discrimino eu também: especialmente para os meus colegas de blogue, Leitão e Ramires.

Papa critica teoria do género, homossexuais criticam Papa

(Público, 1ª página)

gay_santa2

Imbuído do espírito natalício do Sumo Pontífice, aproveito para desejar a todos os leitores do Shakira e aos meus colegas de blogue, Belmiro e Ramires, um “santo” e feliz Natal!

2008 e os filmes

Dezembro 23, 2008

Seguindo o exemplo do Ramires:

Este é, muito provavelmente, o melhor filme que vi este ano. De um dos meus “mestres”, claro.

Mocidade Portuguesa

Dezembro 21, 2008

Não tenho culpa de saber estas coisas. Avó e tia avó resolveram ensinar aos petizes da família, numa inspirada tarde de outono (dia de vindimas, se a memória não me atraiçoa), uma das mais belas melodias que já ouvi. Melodia essa entoada com orgulho rácico nesta sacratíssima instituição do antigo regime, durante os seus tempos de meninice.

A verdade é que foi impressionantemente (e involuntariamente) fácil decorar os 24 versos que compõem a música. A melodia é daquelas que quando entra na cabeça só de lá sai à paulada com um “…até o padre ajudou, aperta aperta com ela!”. E, agora, sempre que passo frente a uma imagem do Saudoso de Santa Comba, o meu braço direito fica espontânea e incontrolavelmente hirto e erecto, Dr. Strangelove way.

Tende medo!:

a

A Oeste da Europa / Bem juntinho ao oceano

Fica o nosso Portugal / Lindo torrão lusitano!

Em território é pequeno / Nas colónias o terceiro.

O mais valente na guerra / Nas descobertas o primeiro.

a

Os valentes portugueses / Ao longo da nossa história

Aos mouros e castelhanos / Alcançam sempre a vitória.

Nos mares abrem caminhos / Em todas as direcções

Conquistando novos mundos / Às conhecidas nações.

a

Sinto orgulho de ser filho / Desta tão nobre nação,

Tão bonita tão bonita / Que guardo no coração.

Eu adoro a minha pátria / Não como coisa mesquinha.

Eu adoro a minha pátria / Porque é minha, muito minha!